Por Cinthia Lages
10/04/2019 16:57:35 | Atualizada em

Como uma onda no mar, Skazi apresenta verão colorido e empoderado

Teve apresentação contagiante da  banda Jota Quest com direito à  Lulu Santos no fim da festa, Gusttavo Lima e influencer Thássia Naves no disputado desfile da Skazi que  voltou ao Minas Trend e mergulhou na história do surf e da surfista Isabel Lethan – primeira mulher a dropar ondas grandes. O verão 2020 da marca é onda no mar ou em terra firma.  A paleta de cores vai do cítrico aos tons mais neutros como off white. Este é o ponto de partida para o Verão 2020 da Skazi, que leva uma mensagem de liberdade, empoderamento e ousadia ao encontro da graça e individualidade femininas, traduzida nas passarelas do Minas Trend.

Em território nacional, Margot Rittscher, uma nova-iorquina que se mudou para Santos aos 15 anos, acordava e fazia questão de contemplar o mar da sua janela todos os dias. A personagem também fez história, pro-vando que mar bravo e delicadeza podem fazer um bem “formidável”, como ela mesma definia a prática do surf. Construiu sua própria prancha de madeira e foi se aventurar no esporte na década de 30, tornando-se a primeira mulher surfista do Brasil. Manteve-se ativa até o fim da vida em busca de igualdade, deixando um legado único. E nunca saiu de perto do mar.

Para uma coleção tão cheia de significados, a Skazi criou seus looks em torno de uma alfaiataria esportiva, que vai da praia às ruas. A coleção conta com modelagens bem amplas e confortáveis, captando algumas grandes apostas da temporada, como o boho chic. Assimetria e fluidos convivem e dão visibilidade ao frescor da estação. Na cartela de cores, a marca propõe tons vibrantes e aposta na multifuncionalidade, que aliada à versatilidade dessas criações, é garantia de bons looks.
Os movimentos de empoderamento e a herança deixada por Isabel e Margot inspiram as mulheres a desbra-varem ondas cada vez maiores, desafiando limites e ganhando espaço no cenário do surf ao redor do mundo, com o olhar e apoio da label sobre elas.
Para o diretor-criativo Eduardo Amarante ”esta coleção mostra a força e o empoderamento feminino num esporte que ainda tem o domínio masculino. Com o passar dos anos, o surf transformou-se numa manifes-tação cultural, fazendo parte do lifestyle de quem pratica ou simplesmente simpatiza. A figura feminina sem-pre esteve e estará presente em qualquer manifestação cultural. No surf não seria diferente.”, explica

Conheça as histórias mais inspiradoras de mulheres como você, que conquistaram seu espaço de trabalho, com muita luta e amor pelo que fazem.